Dá pra amar à distância

Uma paixão que começa distante, pela internet, pode ser correspondida?

Em “Um Novo Começo”, Lucas e Andrey dão match num aplicativo de paquera e, em meio às intempéries de suas vidas pessoais, acabam se distanciando cerca de 3000km. No período em que estão distantes, eles resolvem construir um relacionamento cheio de cumplicidade, carinho e descobertas.

Zé Henrique nos apresenta uma grande quantidade de universos — socialmente falando — neste conto. Até comentei com o autor após a leitura: essa história tem MUITA representatividade. Lucas é um homem trans pansexual. Andrey é um homem negro, cis e bissexual. Os dois nasceram em regiões diferentes — Lucas é nordestino e Andrey, sulista. Andrey ascendeu socialmente com muito trabalho duro da família. Lucas, ao que tudo indica pela história, foi morar no Rio Grande do Sul a trabalho e/ou estudos.

Pode até ser um tabu, mas é importante perceber toda essa representatividade numa história LGBTQIA+. A gente acaba envolvido por esses personagens que podem estar na família, no trabalho, no ambiente estudantil de quaisquer pessoas. Além disso, a construção das relações virtuais abre uma discussão para: o que estamos dispostos a fazer para ficar com a pessoa que gostamos/amamos?

Detalhe importantíssimo: Zé Henrique não economiza nas referências turísticas-culturais e nas gírias regionalistas. Não é algo que precise de um glossário — como algumas avaliações do conto sugerem -, mas que desperta uma curiosidade tremenda de conhecer de perto tudo que o autor nos apresenta.

É impossível deixar de se orgulhar pela leitura de algo tão aconchegante e acolhedor, um conto escrito por uma pessoa não-binária bissexual e tão presente na defesa dos conceitos e direitos da comunidade. Suas histórias são incríveis, Zé! Publica mais!

Compre e leia o conto na Amazon

Um virginiano falando sobre literatura, séries, música e cultura LGBTQIA + Sendo resistência desde que me entendo por gente.

Um virginiano falando sobre literatura, séries, música e cultura LGBTQIA + Sendo resistência desde que me entendo por gente.