O que acolher e o que repelir — sobre a minha aparência e o seu ideal de beleza

Photo by Giorgio Trovato on Unsplash (editada)

A primeira vez que decidi deixar meu cabelo crescer exigiu muitas reflexões. Enfrentaria comentários que não iam me fazer bem. Ficaria desconfortável com as visões de opiniões das pessoas sobre minha aparência. Eu previ isso. E segui em frente. Foi em 2018, isso, num período em que decidi dar uma chance a mim mesmo e elevar minha autoestima.

Foi um ano usando produtos básicos para cachear o cabelo, deixando ele de um jeito que eu gostava, explorando formatos diferentes, finalmente conseguindo prendê-lo. Quando completou-se um ano, resolvi cortar. Na época, ouvi de uma pessoa do trabalho que “ficou melhor assim, te deixou com uma aparência mais limpa”, e isso me machucou muito. De verdade.

Pior era saber que não era a opinião de uma só pessoa. E aí entendi o que estava acontecendo. O mundo ao meu redor se acostumou com minha aparência de cabelos curtos, porque um cara gordo com cabelos longos era estranho demais para ser aceitável.

Ficou melhor assim”, “não deixa mais crescer”, “você combina mais com cabelo curto”… Ouvir isso de pessoas que você gosta muito, pessoas que você ama, é doloroso. Me perguntava: “como uma coisa que eu fiz pra me sentir bem me deixou tão mal?”

A experiência se repetiu. Há 1 ano e 3 meses, decidi não cortar mais o cabelo. O resultado foram belos fios castanhos de quase 20 centímetros, cacheados e volumosos. E decidi cortar.

O engajamento nas redes sociais infla o ego da gente, né? Mas quem gosta de mudar de aparência, como eu, já espera além dos louros. E vieram as opiniões indesejadas, dadas “sem intenção de magoar”. Mas, ao mesmo tempo, vieram elogios como “você realmente fica bem de todo jeito”, “a mudança combina contigo”… E é revigorante saber que as pessoas têm aprendido a falar da aparência umas das outras sem machucar.

Quer dizer, eu aprendi isso da melhor maneira: olhando para mim. Me permitindo sentir o quanto meu corpo é meu e me faz feliz do jeito que é. Olhando pra amigues, crushs etc. e pensando: “você é linde assim e da forma que for, porque te conheço bem”.

A gente não é obrigado a aceitar um comentário ou outro só porque é a visão de alguém sobre nós. Se não há intenção de magoar, por que falar? Que trabalho dá pensar um pouco mais antes de falar que a pessoa que emagreceu tá mais bonita? Vai arrancar um pedaço parar 30 segundinhos pra pensar em algo melhor pra dizer?

Eu não sou obrigado a aceitar sua opinião sobre a minha aparência só porque a opinião é sua. Você é que precisa parar de dar pitaco na vida dos outros como se isso fizesse bem a alguém, quando nem você mesme se importa.

--

--

--

Um virginiano falando sobre literatura, séries, música e cultura LGBTQIA + Sendo resistência desde que me entendo por gente.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alexandre de Almeida

Alexandre de Almeida

Um virginiano falando sobre literatura, séries, música e cultura LGBTQIA + Sendo resistência desde que me entendo por gente.

More from Medium

Trainer -Thiago Poeys — Online Lean Six Sigma Expert

#31 The principles

New Year’s Resolution: How to get back on track.

10 Secrets To Creating A Funky Beat Juggle