Você me atrai ou eu só decidi escrever sobre isso

Eu acho que gosto de você. Quer dizer, tem essa atração que eu sinto. A gente se falou esses dias, foi pouquinho, mas deu pra ver que você é legal. Isso não anula o que penso sobre relacionamentos. Ainda não quero nada — embora dizer isso agora pareça o contrário.

Pode ser inesperado, mas seu signo também me atrai. Não vou revelá-lo, não preciso. Só espero que seja tão compatível quanto qualquer sinastria possa prever. Entenda: é mais pela vontade de ter algo não-sério. Gosto de construir amizades coloridas. E, bom, se você não gostar dessa ideia, tá tudo bem — espero.

Provavelmente seu silêncio também me atrai, e isso me preocupa. Pessoas silenciosas me dão curiosidade. Em certos momentos pode ser só o desinteresse mesmo, tá tudo bem. A gente se acostuma com isso quando pratica uma forma livre de amar. É meu jeito, né?

Seus lábios com certeza me atraem. É algo que sempre me chama atenção. Eu não conheço seu olhar, suas ações, seu jeito de falar — apenas um pouco, pelo que vi e ouvi — ou como move suas mãos. Mas conheço sua boca. Quer dizer, eu a vejo. E desejo, logicamente. Parece boa de beijar, de conversar, de analisar os traços que a fazem complementar seu rosto.

Talvez você leia isso, não sei. É normal que quase ninguém leia essas coisas. Mas, se ler, já sabe. Talvez queira conversar. Talvez não. Eu realmente não me importo com um silêncio eterno. Só não consigo assumir a mesma postura. Sou muito melhor com uma postura analítica, talvez você tenha percebido.

É, de repente eu decidi escrever mais sobre as coisas que sinto. Apesar de não ser exatamente um sentimento forte. A gente mal se conhece. Minha melhor maneira de expressão é essa mesmo, então que você se acostume — ou não, não peço nada.

Um virginiano falando sobre literatura, séries, música e cultura LGBTQIA + Sendo resistência desde que me entendo por gente.

Um virginiano falando sobre literatura, séries, música e cultura LGBTQIA + Sendo resistência desde que me entendo por gente.